[Resenha] O Trono de Fogo – Rick Riordan

“Os deuses do Egito Antigo foram libertados no mundo atual, e desde então Carter Kane e sua irmã, Sadie, vivem mergulhados em problemas incomuns à maioria dos mortais. Descendentes da Casa da Vida, ordem secreta que remonta à época dos faraós, os dois têm poderes especiais, mas ainda não os dominam por completo – refugiados na Casa do Brooklin, que se tornou um local de aprendizado para novos magos, eles correm contra o tempo. Seu inimigo mais ameaçador, Apófis, a serpente do caos, está se erguendo. Se eles não conseguirem impedi-lo, em poucos dias o mundo encontrará um final trágico. 

Para que tenham alguma chance de derrotar as forças do caos, eles precisarão da ajuda de Rá, o deus sol. Despertá-lo, porém, não será tarefa fácil: nenhum mago jamais conseguiu. Primeiro, Carter e Sadie terão que rodar o mundo em busca das três partes do Livro de Rá, para só então começarem a decifrar seus encantamentos. E, é claro, não podemos deixar de mencionar que ninguém – ninguém – tem ideia de onde está o deus.”

Orelha do Livro

Resenha

Dando continuidade à série As Crônicas dos Kane, Rick Riordan, famoso pela série Percy Jackson e Os Olimpianos, resolve transcrever a segunda fita enviada pelos irmãos Kane, na qual narram suas aventuras para derrotar o Deus Egípcio do Caos: Apófis.

O Trono de Fogo mantém a mesma temática da Pirâmide Vermelha;  dois adolescentes, Sadie e Carter Kane percorrem o mundo atrás de uma forma de reviver o antigo Deus Sol, Rá, mas são surpreendidos por outros deuses que tentam atrapalhar seu caminho. Porém, a diferença entre O Trono de Fogo e a Pirâmide Vermelha é que os irmãos deixam de ser aprendizes para se tornarem professores. Em sua primeira aventura, os irmãos Kane desconheciam o caminho dos deuses, assim como não tinham ideia de que eram magos poderosos, no entanto, após lutar com Seth, os adolescentes passam a controlar com maior naturalidade as magias do egito antigo, permitindo que se tornassem professores de jovens magos que responderam ao chamado do primeiro livro. No entanto, confesso que O Trono de Fogo não me chamou a atenção quanto A Pirâmide Vermelha.

A magia, a mitologia e as histórias sobre o Egito Antigo, assim como os desentendimentos entre os irmãos Kane, ainda são os pontos altos do livro, despertando curiosidade a cada página. Porém, não sei se foi a “novidade” do primeiro livro, ou se a história do segundo é muito parecida, tive a impressão de que o Autor se limitou ao feijão com arroz, isto é, mantendo a mesma esperança para as últimas páginas e, quando a chegamos lá, uma decepção.

Como dito na resenha da Pirâmide Vermelha, o primeiro livro me impressionou por ter sido o primeiro, mas, O Trono de Fogo deixou muito a desejar. O livro começa com um baita suspense, cheio de intrígas e uma enorme esperança para que os irmãos consigam despertar o Deus Sol em 5 dias, caso contrário, o mundo seria destruído por Apófis, o Caos, aprisionada por Rá há milhares de anos. Ou seja, você acredita que despertando Rá, a batalha será vencida sem muita dificuldade, mas, como no primeiro livro, o final é decepcionante (não vou contá-lo, claro). Ficamos com a ideia de que o final será surpreendente, mas, como no tomo anterior, a batalha final é contada em 10 páginas, de forma simples e sem muito estardalhaço, como haviam previsto, deixando a expectativa para um próximo capítulo. Ou seja, mais parece uma réplica da Pirâmide Vermelha, porém, com uma outra roupagem, tendo vilões diferentes e uma outra trama, não dando a ideia de que é uma continuação.

Houve horas em que os irmãos Kane pareciam saber de tudo (haja intuição): como destruir objetos, chegar a lugares onde nenhum outro humano chegou, percorrer terras onde somente Deuses seriam capazes de andar. E isso tudo somente os irmãos Kane é que podem. – Sério, o que há de tão especial nesses dois irmãos? Essa resposta o Autor não dá! – A impressão é que os Deuses do Egito Antigo, perto dos irmãos Kane, são insignificantes – desculpem-me os que gostaram, mas um Deus é um Deus, não um brinquedo para os humanos.

Mesmo não sendo o público alvo (literatura infantojuvenil), acredito que o livro mais parece uma prolongação de uma pequena história, que decidiram aumentá-la para abocanhar novas vendas. E, só para deixar claro, li o livro porque já havia lido o anterior e gostaria de saber como a história terminaria; portanto, vou ler sua continuação, caso exista. Enfim, vou parar de ser velho e deixar vocês decidirem sobre a história. 😉

Aproveite a promoção de R$ 29,90, que a Submarino está oferecendo.

O Livro

Título: O Trono de Fogo
Autor: Rick Riordan
Ano: 2011
Páginas: 400
Editora: Intrínseca
ISBN: 978-85-8057-092-2
Comprar

[Resenha] A Pirâmide Vermelha – Rick Riordan

Alguns já conhecem o autor Rick Riordan, famoso pela série: Percy Jackson e Os Olimpianos. Tendo seu primeiro livro: Percy Jackson: O Ladrão de Raios se tornado um filme em 2010. Eu, por outro lado, nunca havia lido seus livros. Portanto, a resenha que faço é com base nesse livro, sem influências de outras obras.

A Pirâmide Vermelha é o primeiro tomo de uma outra série, do mesmo autor, intitulada: As Crônicas dos Kane.

Sinopse

“Desde a morte da mãe, seis anos atrás, Carte Kane tem viajado o mundo com o pai, o brilhante egiptólogo Dr. Julius Kane. Ele não frequenta a escola e seus pertences cabem em uma única mala. Enquanto isso, Sadie, sua irmã mais nova, é criada pelos avós em Londres. Ela tem tudo o que Carter queria: casa, amigos e a chance de levar uma vida ‘normal’. E ele tem tudo o que ela mais deseja: o convívio com o pai. Depois de tanto tempo separados, os irmãos não tinham praticamente mais nada em comum. Até agora.
Na noite de Natal, Sadie e Carter estão juntos quando o pai os leva a uma visita ao British Museum, com uma estranha promessa: ele afirma que fará com que tudo volte a ser como antes. O plano, porém, não ocorre como o esperado, e os irmãos acabam assistindo ao momento em que o Dr. Julius Kane evoca um personagem misterioso, que num relance desaparece com o egiptólogo e provoca uma explosão magnífica.
Abatidos pelo sumiço do pai, Carter e Sadie fazem uma descoberta ainda mais surpreendente: os deuses do Egito Antigo estão despertando, e Set, o mais perigoso deles, planeja algo terrivelmente assustador. Para salvar o pai, os irmãos embarcam em uma viagem perigosa – uma jornada que os conduz até muito perto da verdade sobre sua família e a ligação ancestral que há entre os Kane e a Casa da Vida, uma ordem secreta que existe desde a época dos faraós.”

Orelha do Livro

Resenha

A Pirâmide Vermelha traz um universo mágico capaz de encantar todas as idades, mesmo se tratando de uma literatura infantojuvenil. Neste livro, Rick Riordan traz de volta o misterioso Egito Antigo: suas mitologias, segredos e, principalmente, sua magia. Instigando a curiosidade do leitor. Porém, ao invés de tratar como algo académico, instiga seu interlocutor a entrar na história, trazendo de seu inconsciente, assuntos que tanto ouviu falar, como se tudo fosse uma verdade absoluta, mesclando a realidade e fantasia em uma jornada de dois heróis: Carter e Sadie Kane.

A história ganha mais veracidade por ter sido transcrita de um registro digital em áudio deixado pelos irmãos, como confessa o autor nas notas do final do livro. Tal depoimento nos faz acreditar e sonhar, ainda mais, com toda a história, acreditando, realmente, que tudo aquilo foi real e pode estar acontecendo. A narração transcrita por Rick Riordan, é feita, alienadamente, pelos dois personagens principais, isto é, ora Carter narra, ora Sadie toma a voz. Essa prática deixa o livro mais saboroso, pois podemos nos familiarizar tanto com um quanto com o outro narrador, possibilitando uma maior participação do leitor: colocando-o realmente na história.

Somado à possível veracidade, o autor consegue dar vida e forma a um das mitologia mais complexas da antiguidade como a Egípcia. Colocando os irmão no papel de combatente e aliados de uma guerra milenar travada pelos Deuses Egípcios e os humanos.

Todo esse universo criado por Riordan é auxiliado pela desenvoltura que possui na criação de personagens cativantes, como Carter e Sadie – dois adolescentes cheios de medos e incertezas sobre a vida e, consequentemente, sobre a história de sua família, que viram despedaçadas pelo Deuses.

A Pirâmide Vermelha é um livro repleto de ação e aventura, salpicado de leves romances durante a trama, que ficam melhores com a intervenção de cada irmão durante a narração pelo outro.

Assim, essa mistura de realidade-fantasia e irmão-irmã adolescentes, somado aos mistérios do antigo Egito, trazem uma leitura tranquila e divertida, com gosto de “quero mais”.

Opinião

Como disse, nunca havia lido os livros de Riordan, portanto, afirmo que gostei bastante, apesar de se tornar um pouco cansativo a partir da metade do livro. Alguns acontecimentos são previsíveis, outros uma surpresa.

O que eu não gostei de ter lido foi a batalha final, achei curta e com poucas cenas de luta. Algo – acredito – esperado por todos que leram, pois durante o livro todo, é feita uma balbúrdia sobre a batalha e quando se chega ao final… “é isso?”

Enfim, apesar desses pequenos problemas, vale a leitura. São horas de empolgação e “curtição”, que farão com que teus olhos não saiam das páginas.

O Livro

Livro

A Pirâmide Vermelha

A Pirâmide Vermelha é o primeiro tomo de uma outra série, do mesmo autor, intitulada: As Crônicas dos Kane.

Título: A Pirâmide Vermelha
Autor: Rick Riordan
Ano: 2010
Páginas: 448
Editora: Intrínseca
ISBN: 978-85-9807-897-7